domingo, 17 de agosto de 2014

Dor


Estou aqui, mais uma vez, te escrevendo. Esse ato de te escrever já virou costumeiro e eu não estou me agradando. Eu deveria estar assistindo aquele filme que eu tanto queria e está passando agora, deveria estar lendo o meu livro novo ou estudando para o meu teste de Química, mas estou aqui, em mais um Domingo a noite, te escrevendo.
Estou escrevendo mesmo sabendo que você nunca vai ler, porque tem preguiça, porque tem coisas melhores para fazer do que ler mais um texto patético dedicado a alguém, que você acha que é um garoto qualquer. Mas não é um garoto qualquer, sempre foi você.
Essa semana eu estava conversando com alguém, e esse alguém me contou uma novidade sobre você. Você tá namorando. Eu apenas fingi que era só mais uma fofoca sobre qualquer pessoa, mas não é. Só eu sei o quanto doeu ter que ouvir aquilo, só eu sei as lágrimas que derramei no meu travesseiro naquela noite. Porque doeu. E dói. Dói saber que não vou te ter mais, que você não vai me ligar pra dizer que sentia minha falta, que não vou ter mais seus beijos quando quiser, dói saber que o meu mundo, está nas mãos de outro alguém.

Um comentário:

  1. Outra vez, final brilhante! Não que tenha dado tudo certo (ainda) mas é que vc costura as palavras de um jeito sereno e forte que a gente até esquece as coisas ruins, as dores e tals... Fica uma coisa romântica do tipo shakespeariano: a tragédia mais romântica. Amei!!

    ResponderExcluir