domingo, 27 de julho de 2014

Sem você


Estava sozinha naquela casa que embora fosse estranha me soava familiar. Eu entrava e saia em cada cômodo, procurando uma reposta, mas de repente você apareceu em minha frente, as batidas do meu coração aceleraram, minhas mãos começaram a suar e as borboletas voltaram a voar em meus estômago. Fiquei paralisada. Então você me abriu aquele sorriso, o único, entre inúmeros que me traz a paz e a cura para todos os meus problemas.
- O que você está fazendo aqui? - Foram as palavras que saíram da minha boca. 
 Minha cabeça começou a latejar, então, corri para outro cômodo da casa, sentei ao chão, e, abraçada com as minhas pernas comecei a chorar. Eu não queria que aquilo estivesse acontecendo, não queria tê-lo pela metade, não queria me sentir mal por estar com ele. Eu queria que fosse mágico, que as coisas fluíssem bem, que tudo fosse diferente. Ainda com a cabeça baixa, senti alguém se aproximar. Só poderia ser ele. E era. 
- Por que você está chorando? Calma, eu estou aqui e tudo vai ficar bem. 
- Depois de tudo que você me fez, vem com essa pergunta? Eu poderia te responder, mas eu passaria dias tentando, por sua causa nos últimos meses eu venho me destruindo cada vez mais. Não consigo sair de casa, por mais que eu tente, não sei mais o que responder aos meus amigos quando eles me chamam para sair, as pessoas na rua sabem de tudo que você vem fazendo, e sabem, que no fundo, o meu sorriso é por educação. Você se foi e levou minha vontade de viver junto. 
- Mas eu vim para ficar, me desculpa por tudo que eu te fiz. Eu te amo! 
- Me conta outra piada, por favor, para de me iludir!
 E antes que eu dissesse mais uma coisa, você me puxou pela cintura e me beijou.
"I could stay awake just to hear breathing..."
 A nossa música começou a tocar. Droga. Era o meu despertador só para lembrar que tudo não se passava de um sonho, e hoje era mais um dia sem você.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Felicidades


Abri meus olhos, o brilho do sol já invadia a janela do meu quarto, perdida, sem saber o horário e o dia, sem olhar passei as mãos no meu criado mudo, até finalmente conseguir alcançar meu celular. Desbloqueei a tela, haviam várias ligações perdidas e várias mensagens, o que raramente acontecia. Olhei novamente para a tela, prestei atenção na data. 15 de Maio. Meu aniversário.
 Após ler e responder todas mensagens, decidi levantar da cama, meus pais e a praga da minha irmã mais nova estavam na mesa, tomando café da manhã, quando me viram fizeram a maior animação do mundo me enchendo de presentes e carinhos. Mas, no fundo eu sabia porque estava tão mal nos últimos meses. Era ele.
 Meu celular vibra mais uma vez e o meu coração dispara ao olhar na tela, era uma mensagem dele. Fazia mais ou menos dois meses desde a última vez que isso acontecia. Abri a mensagem ansiosamente. Só dizia: "Felicidades." Friamente. 
 "Felicidades? Você seria a última pessoa para me desejar isso, é por sua causa que estou mal há meses, hoje é o meu aniversário, minha família e os meus amigos estão tentando me fazer sorrir, mas não consigo, porque, a minha felicidade se resume em você. Felicidade para mim seria acordar com uma linda mensagem tua, seria ter você aqui do meu lado, me abraçando, me beijando do jeito que só você sabe. Mas, você prefere apenas me mandar uma mensagem ridícula que só desconhecidos mandam em redes sociais, em vez de estar aqui, comigo, me fazendo sorrir. Você me desejou felicidades, mas, mal sabe que a minha felicidade é você." Era o que eu queria dizer, mas, friamente respondi: "Obrigada."


Queridos, desculpem minha sumida, estava sem computador, mas agora estou de volta. Não se preocupem. Obrigada à quem notou minha ausência. Beijos!