quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

O dia da saudade

30 de Janeiro. Dizem que é o dia da saudade. Eu estava maravilhosamente bem sem você, ouvia músicas românticas sem lembrar de você, lia textos românticos e não encontrava você, acordava e não desejava mais ter você do meu lado. Mas por incrível que pareça, essa coisa de dia de saudade me deixou nostálgica, deixou meu coração pulando do peito, me fez ouvir músicas que me lembram você, me fez sentir uma vontade louca de pegar o primeiro avião e ir de encontro a ti, me deu vontade de te ligar só para ouvir tua voz, me deu vontade de chorar, me deu vontade do seu sorriso, meu deu vontade de você. Me deu uma mistura de dor, vontade e nostalgia, sinto sua falta, sinto uma dor no coração. Dizem que hoje, dia 30 de Janeiro é o dia da saudade, mas, saudades suas, venho sentindo todos os dias e fingindo que está tudo bem.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Tudo ótimo sem você

Sei que já escrevi para você muitos textos, muitas cartas, muitas bobagens, coisas que não deveriam ter saído da gaveta, mas, saiu. Você já deve estar se perguntando porque eu não canso de você, porque eu não canso de te querer, e deve estar pensando que essa é mais uma declaração idiota. Fica tranquilo, não é. Fica tranquilo, eu não quero mais você, pode ficar com sua namorada. Foi ela que você escolheu, eu nunca fui escolhida por você. Para você, eu nunca fui uma opção. 
Escrevi mesmo só para te dizer que sei o quanto errei em te amar, errei em criar diálogos e momentos que nunca viveríamos, errei em me declarar todas ás vezes que me deu vontade, errei em querer você, errei em fazer um drama quando te vi pela primeira vez de mãos dadas com ela. Escrevi para dizer que estou bem sem você, eu nunca precisei de você para viver, eu vivi muito bem antes de te conhecer, porque que com a sua ausência seria diferente? Sofri apenas durante. 
Estou bem, como nunca estive antes, comprei roupas novas, apaguei suas fotos, apaguei suas mensagens, joguei fora a carta que fiz para te entregar no seu último aniversário, ás vezes até esqueço que você existe. Estou vivendo maravilhosamente bem sem você. Vai ser feliz, não se importa mais comigo (como se você tivesse se importado algum dia), fica com tua namoradinha esquisita, com seus amiguinhos de merda que se dizem populares e não se passam de falsos que só sabiam me humilhar. Com todo esse sofrimento que você e todos eles me fizeram passar. Eu cresci, não sou mais aquela menina estranha com o all star surrado que vivia sonhando com um beijo seu, com um dia que eu tivesse uma história como aquelas dos filmes adolescentes da Dinsey, que a menina feia e impopular vira popular e conquista o cara popular que nunca deu a mínima para ela. Era assim que eu sonhava. Quer saber de uma? Isso é puro clichê, só acontece em filmes, é continuação dos contos de fadas que meninas tolas acreditam. Eu cresci, evolui, desculpa, meu bem, mas eu cansei de você!

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Perguntas e afirmações estúpidas

- Tudo bem? 
Sempre que me fazem essa pergunta, eu digo "Estou bem, obrigada", sinceramente nunca estou. Sempre falta algo. Será que as pessoas realmente querem saber como me sinto ou fazem essa pergunta estúpida apenas para parecerem educadas? 
- Está solteira porque quer. 
Essa é a coisa mais estúpida que alguém pode falar. Claro que não estou assim porque quero. Não vou sair com qualquer cara só porque ele é bonito ou tem dinheiro. Quero um cara que tenha cérebro, e saiba mais ou menos como tratar uma menina. Mas é óbvio que aparecem, mas não são bons o suficiente para serem chamados de "namorado". 
- No tempo certo, o garoto perfeito vai aparecer. 
Primeiro, garoto perfeitos não existem, ninguém é perfeito, parem de se iludir com esse garotinhos babacas. Segundo, todos falam "no tempo certo ele chega", "essa dor vai passar com o tempo". Tempo? Que tempo? Alguém me avisa ai por favor quando esse tempo que todos dizem irá chegar? E se esse tempo não aparecer? Acredito que bem lá no fundo, essa coisa de tempo é pura balela. 
- Não fica assim, mais sofreu Jesus! 
Quando alguém está sofrendo, precisa de uma palavra para confortar, e esse coisa de comprar com Jesus não dá certo. Jesus não tinha pecados, e todos nós somos pecadores. Por favor, se um dia você confortar uma pessoa que está sofrendo não diz essa palavra, é melhor ficar com a boca calada. 

(Depois de várias tentativas e resenhas de filme, saiu um texto apresentável. Um pouco diferente do que eu escrevia ano passado. Mas enfim, é o primeiro texto do ano, e é o que tenho para hoje. Beijos!)

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Resenhas: "A nova Cinderela", "A última música" e "Água para Elefantes"

                                                       ♥ A nova Cinderela ♥

A nova Cinderela, é uma produção norte-americana de 2004, é uma comédia romântica adolescente, dirigida por Mark Rosman, protagonizado por Hilary Duff. O filme conta a história de Sam, uma adolescente que esfrega o chão, serve sua madrasta diabólica e suas filhas, sonha em ir a faculdade de Princeton - o lugar perfeito para encontrar seu príncipe. Mas parece que ela já tem seu príncipe encantado: seu anônimo correspondente de internet, que dá um jeito de dançar com ela na noite de Halloween do colégio, ela entra em pânico quando descobre quem é o seu príncipe anônimo. A classificação indicativa é livre para todos os públicos. 

                                                        ♥ A última música ♥

Filme produzido em 2010, com Miley Cyrus como protagonista, o romance é a adaptação do livro "A última música" escrito por Nicholas Sparks. Retrata a história de Ronnie (a Miley Cyrus), que tem 17 anos, é filha de pais separados, e seu pai mora longe de Nova York, numa cidade praiana. Depois de 3 anos de separação, ela ainda sente raiva do seu pai por ter separado de sua mãe, até que a mãe decide enviá-la para passar as férias com o pai. Lá, depois de conhecer novas pessoas, e uma paixão ela encontra alguém que, além de bom músico, é, acima de tudo, um verdadeiro pai. A classificação indicativa é livre para todos os públicos. 

                                                  ♥ Água para elefantes ♥ 

Adaptação do livro de  romance da Sara Gruen (que eu já li, e adorei), produzido em 2011, dirigido por Francis Lawrence, com Robert Patisson no elenco, é um drama e histórico (mas que eu também considero romance). Jacob Jankowski, é um idoso com mais de 90 anos que não consegue esquecer sua juventude, nos anos 30 que foi um período difícil da economia americana, onde resolveu trabalhar em um circo. Foi lá, quando era jovem e um ex estudante de veterinária que ele conheceu a brutalidade dos homens com as esposas e também com os animais, mas foi lá que encontrou a mulher que se apaixonou. Embora alguns filmes sejam muito diferentes do livro, esse eu adorei, foi a mesma coisa do livro, adorei e recomendo. 

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Resenhas: "Juno" e "Desenrola"

                                                                    ♥Juno♥
Juno é um filme americano de 2007, dirigido por Jason Reitman e escrito por uma iniciante, a Diablo Cody, que rendeu o Oscar de melhor roteiro original. O filme se desenvolve em torno de um enredo sarcástico, abordado peculiarmente o tema polêmico de gravidez na adolescência. O filme mostra situações de uma menina de 16 anos, que engravida de seu colega de classe, e desiste de abortar o bebê. Com ajuda da família e da melhor amiga, encontra um casal perfeito para cuidar do bebê. Apesar de abordar assuntos polêmicos como sexo, gravidez na adolescência, aborto e adoção, é muito bom, o gênero é comédia e drama e a classificação indicativa é de 10 anos (embora eu não concordo porque tem umas partes um pouco tensas por abordar o tema sexo, eu pensei que a classificação era de 12 anos).                                        
                                                                   ♥Desenrola♥
 Filme brasileiro de 2011, dirigido por Rosane Svartman, com Olívia Torres, Kayky Brito e outros nomes no elenco. Conta a história de Priscila, a personagem interpretada por Olívia Torres. Priscila tem 16 anos, e é uma garota comum como qualquer outra da sua idade. Sua mãe decide viajar e passar 20 dias fora de casa e a deixa sozinha, e ela aproveita bastante isso. Na escola, o professor (Interpretado por Pedro Bial), passa um trabalho em grupo para a turma, o se grupo será comporto por Boca, Tize e Caco, um dia ela esquece a agenda e Boca promete que vai devolver, mas por curiosidade acaba lendo. A partir dai várias coisas interessantes começam a acontecer. Confesso que fiquei surpresa por um filme brasileiro ser tão bom assim, eu senti algumas emoções juntamente com a Priscila, indico para todos que gostam de filmes adolescentes americanos, esse tem um gostinho mais familiar pois é passado no Brasil. O gênero é comédia romântica (embora eu considere apenas romance, já que eu não achei nada engraçado), e a classificação indicativa é de 12 anos. 
(Obrigada pelos comentários, fico feliz por vocês comentarem e é isso que me empolga para atualizar esse blog com mais frequência. Peço desculpa por ultimamente só ter postado resenhas, mas é que estou passando por uma fase nada sensível. Espero que compreendam. Beijos!)

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Resenha: Fazendo meu filme 2

Foto tirada pela Alessandra Fadel, do blog "...is Always a Good Idea"
Continuação do livro "Fazendo meu filme 1", que eu já fiz a resenha aqui no blog, escrito por Paula Pimenta, que fez muito sucesso em todo Brasil em 2012, com sua série "Fazendo meu filme", e outros livros que em breve comprarei e comentarei sobre, aqui no blog. Com o subtítulo "Fani na Terra da Rainha", conta a experiência vivida por Fani na Inglaterra. A duração contada nesse livro é de um ano, nele, além de viajar até Londres e Brighton com a Fani, senti as mesmas emoções que ela, senti frio na barriga, me apaixonei, senti raiva de alguns personagens, senti medo, senti saudade... Além de sentir as emoções da Fani, acabei me apegando a muitos personagens e algo me diz que vou chorar muito quando ler o último livro da Série (Tá, eu sou chorona mesmo e admito hahahaha). Os aspectos físicos são os mesmos do primeiro: páginas brancas, porém, isso não impediu do livro ser maravilhoso, a capa apaixonante, e em todos capítulos começam com uma frase de filme, o filmes que a Fani assistiu durante o ano. Super indico quem já leu o primeiro, ou até que não leu o primeiro pode começar a ler, que eu garanto que vai se apaixonar pela série porque eu me apaixonei. 
Referência: PIMENTA, Paula. Fazendo meu filme 2. 8ª ed. 2012. 325p.
(Desejo á vocês um feliz 2013 repleto de coisas boas, obrigada por me aguentarem por mais um ano. Ah, esse post ainda ficará sem foto, porque não comprei uma câmera nova. Prometo que comprarei em breve. Beijos!)