sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Conto: Promete?

Em uma manhã quente de Sábado, eu estava quase acordando, quando meu celular começou a tocar, eu queria dormir mais, porém, preferi atender.
- Oi, quem é? - Eu estava tão sonolenta que, não vi quem estava me ligando.
- Seu amor.
- Nossa, você? Uma hora dessas?
- Porque essa pergunta? Nós nos amamos, não é mesmo?
- Sim, talvez nós sempre nos amamos. Mas, é estranho você me ligar, principalmente, a essa hora em um dia de Sábado.
- Porque é estranho te ligar?
- Porque nem sempre estamos assim, tão próximos... Você é sempre assim, se aproxima de mim e, se afasta, depois volta como se nada tivesse acontecido e tudo parece ficar bem. Dessa vez estamos sim, juntos, mas já faz tempo que estamos assim, tão próximos, e eu tenho medo que você se afaste, porque eu me sinto bem quando estamos juntos e eu não queria que nós se afastássemos vez em quando, queria estar com você sempre.
- Nossa... - Disse ele, sem expressão, acredito que, por um tempo ele tenha ficado sem palavras.
- O que foi? Eu disse algo demais?
- Não, é que eu nunca tinha parado para pensar nisso...
- Promete?
- O que?
- Prometa que dessa vez vai ser diferente... - Eu disse, quase chorando.
- Eu prometo, amor.
- Eu espero que tudo que você não se afaste mais de mim, que seja sempre assim, eu, você, nós, todos os dias, o tempo todo.
- Eu te amo. - Disse ele.
- Eu te amo. - Eu repeti as palavras dele, porque, dizem que quando a pessoa responde "Eu também", não é amor verdadeiro, e eu não queria dizer "Eu amo mais", até porque, a última coisa que eu quero, é ter uma discussão com ele.
- E então, que tal ir ao cinema comigo hoje, pequena? Passarei aí ás 15:00.

Um comentário: