terça-feira, 22 de maio de 2012

Mais um pouco de você

Meu menino, 
Faz tanto tempo que não escrevo nenhuma carta para você, então tomei coragem e resolvi escrever é essa, foi o frio, foi essa carência, esse frio me faz pensar em cada coisa besta, sabe? Bom, faz pouco tempo que tomei coragem e contei tudo para você, contei que te amo, que te quero, que quero viver ao seu lado a eternidade (dizem que não existe eternidade, mas, com você ao meu lado, a palavra "impossível" é apenas mais uma palavra sem sentido). A noite quando fecho os olhos e te vejo, sinto vontade de te ter comigo, de viver uma vida inteira ao teu lado, de madrugada acordo chorando quando vejo que você não está ao meu lado e que aquilo não se passa de um sonho idiota. As memórias são tão intensas que já não posso mais separar das minhas. Quando te vejo, vem tanta coisa em minha cabeça, da vontade de te abraçar, e fingir que as outras pessoas não existem, mas a única coisa que você faz é fingir que sou um nada, e me ignora - ás vezes acredito que sou invisível ao teu olhar. 
Eu sou queria que você reconhecesse esse sentimento que tenho por você, se não for amor, não sei dizer o que é. Porque você me ignora? Porque você finge que eu não existo? Porque você não me liga de madrugada para dizer que está sentindo minha falta? Eu juro que se você ligasse para mim ás quarto e meia da manhã dizendo que só ligou para ouvir a minha voz eu não importaria. Gosto do seu sorriso, do jeito que você ajeita seu topete, do jeito que você me olha quando te envio uma mensagem, do jeito que você anda, só há uma coisa que eu não gosto mesmo em você, e sabe o que é? Ela. 
Ela, a que você fica abraçando, mimando, amando. Isso me machuca sabia? Tu não sabes o quanto me dói. O quanto eu desabo por dentro. Mas eu disfarço, sabe como? Sorrindo. Chorar não adianta nada, se adiantasse, tu estava aqui do meu lado agora, e eu não precisaria estar escrevendo essa carta idiota. Outra carta que jamais chegará em tuas mãos, e que se você ler, não fará muita diferença mesmo. Nada relacionado a mim faz diferença para você. Eu não faço diferença para você. Eu não significo nada mesmo para você.
É, estou finalizando esta carta, ah, e não vou dizer que esta é a última carta não. Porque nunca é. Porque sempre digo que te odeio, quando na verdade te amo mais ainda. E sempre digo que é a última carta, mas sempre acabo escrevendo mais uma para você. 

Com todo amor, a menina que não significa nada para você. 

Um comentário: