segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Será o fim?


O amor que eu sentia (ou talvez ainda sinto) por você era tão grande, tão intenso e tão profundo, jurei que duraria a eternidade, minha maior vontade era estar em seus braços, me aconchegar no seu colo, me esquentar em teu abraço, eu só pensava em você, só que do nada, esse sentimento está me parecendo tão longe, acredito que tudo entre nós tenha acabado, em que curva foi que me perdi? Onde foi que meu amor fracassou? Seu corpo já não me faz mas falta, seus beijos, não os desejo mais, tudo que estou sentindo agora e está me deixando triste é um vazio imenso no meu peito de um amor que talvez não mais exista. Sinto uma angústia por dentro, um tristeza que parece ser infinita, a possível morte de um sentimento, uma coisa muito ruim.

sábado, 22 de outubro de 2011

Devolva-me


Bem que eu te avisei que mais cartas minhas para você, chegariam, pois é, estou dando início a mais uma. E porque, sabe, eu tenho tanta coisa para te falar, mas não são palavras que se dizem costumeiramente, são dessas coisas difícies de serem faladas, e que geralmente ficam caladas, porque ainda não sei como irei te dizer, nem como você irá ouvir, nem milhares de cartas poderiam descrever.
Estou escrevendo para te dizer, que Terça-Feira senti tua falta, falta dos seus gestos, dos seus sorrisos, da sua voz, de tu em você. Ficar sem sua presença, nem que saiba por um dia, me deixa mal, tão mal, menino... Da próxima vez, apareça, menino, minha Terça-Feira foi uma droga sem ti, meu menino...
Um dia sem ti dói, oh menino, porque você levou meu coração? Já não sei mais o que é sorrir, não sei mais o que é se sentir bem, oh meu menino, devolva-me meu coração, ele está em suas mãos, você pode fazer o que quiser com ele, se não podes me fazer feliz da maneira que eu quero, me faça feliz de outra maneira: devolvendo o melhor de mim, a coisa mais bela que alguém pode oferecer a outra pessoa, o coração. Por favor, devolva-me!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Amor, me faça feliz


Me faz feliz, Amor. Quando você me ver, venha correndo a minha direção, fala que sempre me amou, só que nunca teve coragem o suficiente para me dizer. Vá comigo de mãos dadas até minha sala, me abrace, me dê um beijo na testa,e vá até a sua sala, interrompa minha aula de Inglês, me peça em namoro, eu aceito, você me dá um selinho e saímos de mãos dadas pelo corredor, lanchamos juntos, no meio daquela aula chata de História, eu iria abrir minha mochila para ver quantos minutos faltam para acabar aquela aula, e então, vai haver um torpedo teu dizendo que me ama, eu vou responder, e ficar com um sorriso bobo no rosto até o final de aula.
Finalmente a aula acaba. Você vai estar me esperando na porta. Me peça para vir para casa comigo, eu deixo. Vamos vir o caminho inteiro abraçados. Quando nós dois chegarmos em casa, eu improviso um almoço, vai estar ruim, mas você me diz que está bom apenas para me agradar. Eu vou lavar louça, e enquanto eu estiver lavando louça, e distraída cantarolando a nossa música, você vai chegar em silêncio, e roubar um beijo meu, eu vou sorrir para você, e te abraçar fortemente.
Depois vamos assistir meu filme favorito, e nos créditos finais do filme, nós dois nos beijamos. Quando anoitecer, eu vou tomar banho, trocar de roupa, e sair com você para comer pizza, minha roupa estará simples, mas você vai dizer que está linda para arrancar mais um sorriso meu. Voltaremos da pizzaria, e vamos até o fundo de minha casa, olhar para o céu, e abraçados, contar estrelas, a hora de dormir chegaria, e você irá me emprestar sua camisa, que cairá perfeitamente em mim, nós dois iriamos dormir abraçados ( não estou me referindo à sexo), eu vou pegar no sono ouvindo sua respiração, e você, brincando com os meus cabelos... E então vamos acordar, meus pés vão estar sobre os seus, e assim iria começar mais um dia, repetindo tudo de novo...

sábado, 15 de outubro de 2011

Eu te amo.


Eu te amo mesmo. E talvez seja para sempre. Mesmo que o "para sempre" não exista, prometo te amar pelas próximas 99 primaveras. E o que as pessoas falam sobre nós dois. Não interessa. Mesmo o que as pessoas falem de nós, for verdade, meu amor irá transformar em mentira. Mesmo que as estrelas um dia parem de brilhar, meu amor te iluminará. E mesmo que o amor no mundo um dia entre em extinção, eu mesma farei questão de continuar te amando.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Sentimento sem nome.

Está tudo tão confuso aqui dentro do meu peito. Já não sei mais o que sinto por você. Há dias, que eu te amo, e quero te abduzir para o meu mundo, ter você só para mim, e mais ninguém. Há outros dias que te odeio, não quero te ver, não quero ouvir tua voz, não quero você. E há dias que apenas sua amizade já me faria satisfeita. Mas eu acredito que meu amor é bem maior do que qualquer sentimento que possa existir entre nós. Eu te amo. Eu te odeio. Eu quero ser sua amiga. Não me entendo. Não te entendo. Está tudo tão misturado aqui dentro. O que eu sinto por você ainda não tem nome, talvez não seja amor, talvez não seja ódio, nem muito menos amizade. É uma mistura de tudo isso.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Louca Vontade.


Minha vontade é pegar você, te guardar dentro de uma caixa, e te colocar na minha gaveta, só pra te esconder do mundo. Só pra que ninguém te veja, só pra que ninguém te descubra. Isso não é insegurança. É ciúmes sim, é vontade de ter você apenas pra mim.

domingo, 2 de outubro de 2011

Devaneios do quarto escuro


Queria escrever para ti, a carta mais extensa, preenchida com as mais lindas palavras que meus dedos cansados consigam fazer. Mas aqui, neste quarto escuro, fico observando esse papel (quase) em branco, tenho certeza que por mais que eu tente, não conseguirei escrever tão intensamente quanto o que eu sinto por você.
Agora pela janela, observo as luzes na cidade, fico pensando em você, pensando onde você possa estar agora, se você está dormindo, se você está pensando em mim, se algum dia você já ficou acordado pensando em mim, que boba eu, acredito que nem da minha existência você saiba. De volta aos meus devaneios no meu quarto escuro, sinto a brisa que vem da janela brincar com os fios dos meus cabelos, transportando-me a mais uma lembrança.
Olho pela janela, e vejo como a lua está linda, pergunto para a lua porque você não pode estar comigo agora, fazendo carinho em meus cabelos, falando no meu ouvido bem baixinho as mais lindas frases de amor, perguntando porque esse meu amor não é respondido, perguntando perguntas sem respostas, perguntas que ninguém pode me responder, só você, meu pequeno.
Pensando que havia escrito uma das minhas cartas mais lindas de amor, percebo que o vocabulário está simples demais, porém, é na simplicidade que está as coisas mais lindas.
Assim, meu pequeno, acabo esta carta, não dizendo que sinto vontade você - algo que estou cansada de sentir. Querer você só para mim, é tão involuntário quanto respirar, sentir fome, sono e sede. Digo a ti, um até logo, porque tenho certeza que mais cartas escreverei.

Com todo o meu amor, Seu Amor.